Carta zen 13 -Miscigenação!

Caros amigos,
Foi andando, um dia, no metrô de Paris que tive um insight ao ver um casal que assim se apresentava: um rapaz negro, com uma moça japonesa e um bebê de colo, nem sei como dizer, com uma carinha japonesa colorida de marrom!
Eu estava estudando psicanálise transcultural e escrevendo sobre o Banzo, a melancolia do imigrante. Fiquei pensando nesta coisa maravilhosa que está acontecendo no mundo moderno!
O mundo está se misturando!
Penso que é isso mesmo que Deus espera de nós! Esta miscigenação,  fruto da globalização, é na verdade o início de uma raça única: todos seremos irmãos mistos, sem barreiras, um dia!  E para todos, tem sido a condição inevitável do processo evolutivo.
Nós, aqui no Brasil, estamos um pouco mais acostumados com tantas misturas, pois o processo se deu mais rapidamente nos países menos desenvolvidos, já que não tínhamos muito a perder.
Para o velho mundo, há muita resistência que gera dor. Tudo começou em 1347 quando um navio vindo do Oriente aportou em Gênova, na Sicília, trazendo a peste que em poucos meses trouxe a morte e o terror à Europa, dizimando metade da população e deixando marcas profundas na outra metade.
Tempos depois, as grandes navegações saídas da Europa trouxeram para os novos continentes todas as misturas possíveis. E desde então nunca mais parou. Pessoas de todos os cantos se intercambiam e se misturam. Hoje estamos vendo o mundo se misturar em função das facilidades tecnológicas que têm possibilitado as migrações em massa. Se antes eram migrações forçadas, inaugurando uma raça de pessoas depressivas, hoje, grande parte das pessoas que migram, o fazem por desejo de sair e conhecer o mundo, ter experiências em novas culturas e, quem sabe, novas oportunidades de melhorar sua condição social.
Mas tudo isso tem tido um preço. As sociedades estão confusas, caóticas, e às vezes revoltadas. Mas, porque? Porque é tão difícil viver a mistura das raças?
Se por um lado, as grandes navegações mexeram com a imaginação das pessoas e seu desejo de conhecer o desconhecido, também trouxeram doença, guerra e  escravidão.  Trouxeram a melancolia. Trouxeram o medo e o pânico de tal forma que os países fecharam suas fronteiras, uma a uma.
Hoje ainda podemos observar com que dificuldades os imigrantes se deparam quando desejam se instalar em países que não os seus. Principalmente se saem dos sub para os super desenvolvidos. As barreiras são políticas e também pessoais. Estamos assistindo o preço alto que a Europa tem pago ao tentar sua unificação econômica. Pois bem, a mistura não se dá de forma simples!
É compreensível que pessoas que estão bem, com sua vida estabelecida, em suas cidades e países onde tudo vai bem, onde não há fome, não há mendicância, não queiram, de jeito nenhum, serem “invadidas” por um monte de gente que vem de lugares ainda pouco desenvolvidos: arruaceiros, bagunceiros, questionadores, querendo para si um quinhão do que é bom!
Mas também não é justo que parte dos Homens tenham tudo do bom e do melhor, com luxo e riqueza, enquanto outros lutam para ter o mínimo para manter sua sobrevivência. Por isso o mundo se mistura. O preço é alto, mas terá que ser assim.
E para sermos coerentes com o nosso modo de pensar, teremos que acreditar que  tudo está caminhando como deve ser. E o futuro será melhor que o passado.
As sequelas deste intercâmbio promovem uma sociedade caótica, porém, certamente é o meio do caminho. Todos nós teremos que “tratar” destas sequelas. O tratamento terá que ser através de uma mudança de paradigmas tão intensa que curará o mundo!
Já disse em outros textos que será preciso, no futuro, que ciência e espiritualidade se misturem para que nos aproximemos ainda mais da verdade de Deus, certo?
Então, é a isso que me refiro: temos que ter a mente aberta e flexibilidade para aceitar e integrar as diferenças! Não importa a cor, a raça, a opção sexual: somos todos irmãos!Teremos que misturar ciência e  espiritualidade.
Quero dizer aqui que não se trata de religiosidade. Trata-se de uma mistura de conhecimentos adquiridos ao longo dos tempos pela raça humana e que servirá como suporte ao novo paradigma.
Quanto à religiosidade: taoísmo, budismo, induísmo, catolicismo, umbanda, etc…Juntas e abertas, para que a sabedoria seja fruto dos conhecimentos interligados que nos aproximem ainda mais dos propósitos Divinos!
Devemos usufruir do livre arbítrio e usar o que quisermos nesta vida, desde que seja para bons propósitos e que  nos aproxime uns dos outros no aprendizado do amor!
Aliança entre ciência e espiritualidade, entre razão e fé:  duas alavancas da inteligência humana; uma revela as leis do mundo material e a outra as leis do mundo moral; mas uma e outra, tendo o mesmo princípio que é Deus, sem se contradizer; sem serem  a negação uma da outra, porque Deus não pode querer destruir sua própria obra. A incompatibilidade que se acreditava ver entre essas duas ordens de idéias, deve-se a um defeito de observação e a muito de exclusivismo de uma parte e da outra; daí um conflito de onde nasceram a incredulidade e a intolerância.
Estamos no momento  em que os ensinamentos devem se complementar; em que o véu, lançado propositadamente sobre os Homens despreparados, deve ser levantado; em que a ciência, deixando de ser exclusivamente materialista, deve inteirar-se do elemento espiritual, e em que a espiritualidade, cesse de menosprezar as leis orgânicas e imutáveis da matéria. Essas duas forças, apoiando-se uma sobre a outra, e andando juntas, se prestarão um mútuo apoio.
Então a espiritualidade, não recebendo mais o desmentido da ciência, adquirirá uma força inabalável, porque estará de acordo com a razão, e não se lhe poderá opor à irresistível lógica dos fatos.
Ciência e a espiritualidade vem podendo se entender hoje, porque, não estão  mais cada uma examinando as coisas sob seu ponto de vista exclusivo, que faziam se repelir mutuamente. Algo se anuncia para preencher o vazio que as separava, um traço de união que as aproxima; esse traço de união está no conhecimento das leis que regem o mundo espiritual e suas relações com o mundo corporal, leis tão imutáveis como as que regem o movimento dos astros e a existência dos seres. Essas relações, cada vez mais, constatadas pela experiência, têm trazido uma nova luz : a fé se dirige à razão e a razão não tendo encontrado nada de ilógico na fé, o materialismo estará sendo vencido.
As pessoas que permanecem para trás, estas serão arrastadas pelo movimento geral e serão esmagadas se quiserem resistir em lugar de mudar. É toda uma revolução moral que se opera nesse momento e trabalha os espíritos; Vem sendo elaborada durante a estada do Homem  no planeta, e agora se aproxima do seu cumprimento, e vai marcar uma nova era na humanidade.
As consequências dessa revolução são fáceis de prever: deve trazer nas relações sociais, inevitáveis modificações, às quais não está no poder de ninguém se opor, porque são inerentes ao processo evolutivo e resultam da lei do progresso, que é uma lei irrevogável.
Assim tem sido e assim continuará a ser!
Recebei, Senhor, esta Hóstia total que a Criação, movida por vossa atração, vos apresenta à nova aurora. Este pão, nosso esforço, não é em si, eu o sei, mais que uma degradação imensa. Este vinho, nossa dor, não é ainda, ai de mim, mais que uma dissolvente poção. Mas, no fundo dessa massa informe, colocastes – disso estou certo, porque o sinto – um irresistível e santificante desejo que nos faz a todos gritar, desde o ímpio ao fiel: “Senhor, fazei-nos Um!” – Teillard de Chardin.
Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Sem categoria

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s