Carta Zen 25 – A Ira 2

Belo Horizonte, 29 de agosto de 2009
Caros amigos,
Na semana passada começamos a falar da ira. E eu recebi muitas notícias das pessoas se identificando com o texto! De fato, a ira pega todos nós pelo pé! Desde as maneiras mais pesadas até as mais sutis!
Precisamos conhecer a ira em nós, pois libertar-se da ira significa conhecê-la. Só assim podemos nos considerar livres dela. Para isso vamos usar a razão e a reflexão, pois elas nos ajudarão bastante. Estar atento às manifestações óbvias e disfarçadas da ira é a primeira providência para saber como a ira atua em você.
Depois, aprender como ela funciona nas suas bases espirituais.
Mas faça isso já, a partir de agora. Se disser que vai pensar, estudar, meditar ou conversar sobre o assunto, deixando para mais tarde, estará adiando o problema, quem sabe, para daqui a alguns anos.
A ira é um veneno, e um veneno pede antídoto imediato!
Alguns pontos para pensar agora sobre a ira:
Cristo pede o perdão das ofensas, pois ele sabe que quem não perdoa fica atado ao seu inimigo pela ira. O espirito que quer ser livre para se desenvolver, não tem grilhões.
A ira ameaça a integridade física, pois é ela  que dá impulso aos agressores físicos, aos torturadores e mutiladores do seu semelhante.
A ira é contrária à caridade.
A ira atrai espíritos afins: pessoas iradas congregam entidades espirituais negativas, encarnadas e desencarnadas, ao seu redor.
A ira induz à vingança, e exige uma reação à ofensa recebida. Essa atitude pode prolongar-se por vários ciclos.
A ira é um problema interno e externo; trabalhando com ela, teremos que lidar com a nossa tendência inata à ira e com as influências espirituais externas, se quisermos vencê-la
A violência é produto da ira.
O campo energético negativo gerado pela nossa ira afeta os que desejaríamos ver felizes.
O pacífico atrai a paz, o amoroso atrai o amor, mas o irado atrai mais ira.
Quando ficamos irados com uma oposição aos nossos pensamentos, hábitos, crenças ou posses, precisamos nos lembrar de que o nosso ponto de vista não é único.
Não justificar nem condenar a ira, observá-la e conhecê-la profundamente.
A ira cria barreiras entre as pessoas e os povos, impedindo a união e o progresso dos irmãos do mundo todo, pois ela é o inverso da fraternidade.
A mente pacífica é ativa e amorosa, trabalhando para eliminar a ira por meio da negação da aversão e do desejo.
Não podemos aceitar a ira como parte da natureza humana, nem como estilo de vida gerado pelas tensões modernas.
A ira é o resultado da falta de esclarecimento, do desejo frustrado, da personalidade arrogante.
Exemplos de queima de karma que podem vir em consequência da ira:
_sofrer violência física
_assédio espiritual daqueles a quem não perdoou
_cegueira física
_atrair oposição forte e irada quando expressar suas idéias
_ter que viver em tempo de guerra

Uma oração para afastar a ira:
Senhor, dignai-vos amparar (diga seu nome ou do irado), vosso(a) filho(a). Por estar preso(a) nas malhas da ilusão, não consigo (ele não consegue) ver que sua natureza não é essa. Trazei de volta as qualidades com que me(o) dotastes: paz, harmonia, segurança, alegria, suavidade, paciência, serenidade, compaixão, aceitação, amor, discriminação, satisfação. Obrigado(a), meu Deus de luz!
Repita esta oração várias vezes, pronunciando as qualidades lentamente, em voz alta e com calma, para criar um campo de energia positivo no ambiente.
Tenham todos uma ótima semana!

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Sem categoria

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s